NOTA DE ESCLARECIMENTO – INSTITUTO ROYAL

18 . 10 . 2013

:: NOTA DE ESCLARECIMENTO – INSTITUTO ROYAL ::

Não estamos com nenhum animal, NÃO TEMOS BEAGLE para doação!

O twitter e facebook do SalvaCão (@projsalvacao e Projeto SalvaCão) está apenas CENTRALIZANDO AS INFORMAÇÕES sobre o caso do #InstitutoRoyal. Não estivemos em São Roque/SP, fizemos a cobertura em tempo real através das redes sociais relatando o ocorrido, reunindo interessados em ajudar e acompanhando depoimento dos ativistas.

As informações ainda estão muito recentes e contraditórias. Foram mais de 200 e é impossível saber o paradeiro. De qualquer forma, podemos adiantar que os animais não podem ser disponibilizados para adoção. Eles possuem chip e parece que a polícia já está recolhendo de volta alguns localizados. O papel da imprensa e das redes sociais agora é fundamental, mas é preciso ter CONSCIÊNCIA na hora de compartilhar dados e informações.

Também não estamos arrecadando dinheiro. A nossa Vakinha é exclusivamente para os nossos 10 cães, apenas. Que também foram resgatados de maus-tratos e nunca receberam essa quantidade de interessados em adotar.

No caso dos Beagles, reunimos os interessados em oferecer LT e ajudar com os medicamentos e ração. Ou seja, o Mister Vet Centro Veterinário será apenas um ponto de arredação em caso de necessidade, também não tem Beagle para adotar. Agradecemos muito pela colaboração e colocaremos em prática esta ajuda se for preciso. Vamos acompanhar o caso e esperamos que chegue ao fim os testes em animais.

Obrigado,
Equipe SalvaCão

Denúncia: cães de guarda sofrem maus-tratos para ser tornar mais agressivos

14 . 08 . 2013

Denúncia: cães de guarda sofrem maus-tratos para ser tornar mais agressivos

O programa “Hoje em Dia”, da Record, mostrou na manhã de 14/08 matéria mostrando os maus-tratos com cachorros que são usados como ‘cães de aluguel’. A nossa presidente Lele Siedschlag acompanhou a equipe de reportagem e apresentou a história da Fuça, a cadela que foi resgatada no começo do ano justamente por este motivo: ela era uma cadela de guarda e estava abandonada, junto com outros animais, em um terreno na região da Vila Guilherme, zona norte de SP.

Vocês se lembram do caso da Fuça?

 

“Meu nome é Fuça, sou uma Pastora de Malinois e fui vítima de maus-tratos. Tenho uma lesão do lado esquerdo do focinho, mas nada que comprometa a minha sua saúde. Brinco e me alimento normalmente. Estava em uma loja abandonada junto com outros cães de guarda. Passamos fome e chegamos a comer os filhotes, infelizmente.

Fui resgatada pelas tias do Salvacão, passei por um longo tratamento e recuperação. Adoro meu hotelzinho, mas já estou pronta para encontrar um lar cheio de amor.”

Confira abaixo a matéria do programa. E obrigada sempre por acreditar no trabalho do SalvaCão! Ajude-nos divulgando nosso site, contribuindo com nossas frentes e incentivando a adoção de animais!

Programa Hoje em Dia

Verdades e mitos sobre a adoção…

01 . 08 . 2012

Por @Alesie

Há pouco mais de um ano, nascia o Projeto SalvaCão, meu sonho de vida tornado realidade. De lá pra cá, meu cotidiano é esse: batalhar contra os preconceitos que ainda existem no Brasil quando se trata de adotar cachorros.

É tanto mito difundido (do tipo: quanto menor o cachorro, mais calmo ele é) que a gente chega a ficar triste. Na hora de adotar um cachorro, informação é TUDO. Se você pensa na adoção, por favor, faça todas as perguntas que precisar fazer. Ninguém nasce sabendo. Tem que se informar com um veterinário, com um treinador, com um protetor de animais antes de decidir qualquer coisa por impulso.

Não adote baseado no que você OUVIU FALAR. Informe-se. É a sua família envolvida, e é a vida de um cão que provavelmente já sofreu bastante até chegar a você. Ele merece agora a chance de nunca mais ter uma mudança brusca em sua vida. A figura do protetor animal serve para isso: ajudar você a escolher O MELHOR cachorro do mundo para o seu perfil e o da sua família.

Pensando nisso, pedi a dra. Janaina dos Reis (@janreis), médica veterinária do Mister Vet e membro do Projeto SalvaCão, e a Yara Hirano (@passodecao), especialista em comportamento animal, treinadora e dona da Creche Passo de Cão, que me ajudassem a responder a algumas perguntas, tipo um FAQ, os mitos e verdades mais comuns que nós protetores ouvimos de quem quer adotar um cão.

Confira as respostas a seguir!

1. Castrar cachorro é “judiação
Dra. Janaína: Não. A castração é um ato de amor, pois previne diversas doenças e com iss prolonga o tempo de vida do animal. Sem contar que evita crias indesejadas e brigas nos períodos de cio.

Yara: Castrar é um ato de amor. Inibe a procriação desenfreada e traz benefícios à saúde do animal. Quanto ao comportamento, ajuda na questão de monta, briga e marcação de território. Outro mito dizer que o cão perde a libido. Já vi alguns cães cruzarem depois de castrados.

2. Bom é adotar filhote, pro bicho “acostumar” com a família
Dra. Janaína: Isso é muito relativo. Muitas vezes a adaptação de um animal adulto é muito mais tranquila do que de um filhote. Tudo depende do perfil do animal e do perfil do adotante.

Yara: Filhotes são “elétricos”, estão conhecendo o mundo. Eles vão destruir muitas coisas, precisam de tempo para aprender o que pode e o que não pode. São divertidos, em geral dóceis, e tendemos a “estragá-los” do ponto de vista comportamental. Adotar um cão adulto traz as mesmas alegrias de um filhote. Com um cão adulto, você já pode saber como é a sua personalidade, se ele tem muita energia ou não, se o tamanho e seu temperamento condizem com o que você quer e pode oferecer em troca. Cães adultos aprendem, se adaptam e são treináveis, assim como filhotes.

3. Cachorro vira-lata é arriscado porque vc nunca sabe o temperamento, raça é mais confiável
Dra. Janaína: Errado. Cada animal é um indivíduo, independente da raça ou sexo. Parte do temperamento do animal está diretamente relacionado com a sua criação e educação. Cães “de raça” ou SRD devem ser educados e acompanhado. O aprendizado é contínuo.

Yara: Mito. Cães de raça podem possuir características mais marcantes porque sua linhagem e cruzamento assim determinaram. As raças foram divididas em grupos, tipo pastoreio, terriers, caça etc. Atualmente, temos cães de caça como pets, por exemplo. Isso nos mostra claramente que os cães se adaptam a diversas situações, e TODOS podem ser pets de companhia.  Quanto ao temperamento, sempre trabalharemos com características previsíveis e outras imprevisíveis.

4. Cachorro pequeno é pra ambiente pequeno, cachorro grande é pra casa com espação
Dra. Janaína: Temos animais de grande porte que se adaptam absurdamente bem à espaços pequenos e cães pequenos que precisam de muito espaço. Isso está ligado ao fato de que cães de pequeno porte muitas vezes são mais ativos que cães de grande porte.

Yara: Relativo. Há cães grandes que convivem bem num apartamento, e cães pequenos que precisam de espaço para correr – e vice-versa. Isso depende do TEMPERAMENTO e do NÍVEL DE ENERGIA que cada um possui. Engana-se quem acha que TODO cachorro precisa de espaço grande. Afirmo que um cão precisa de atividades e de companhia. Ele pode ter um superquintal, mas raramente vai correr ali sozinho enquanto você trabalha; ele quer interagir com você. Ele não pode ficar confinado (em um canil, em uma casa, em um apartamento) sem nenhuma atividade, correr, caminhar, cheirar, interagir: isto é prisão. Cães são animais extremamente dependentes dos humanos e por isso precisam de atividades diversas. Passeios diários são o mínimo que podemos lhes oferecer. Tanto que uma das primeiras frases que reconhecem é: “Vamos passear?”.

5. Cachorro que já sofreu muito na vida é agressivo e perigoso
Dra. Janaína: Alguns animais que já sofreram agressões e maus tratos podem sim ter traumas, mas isso não é regra. A grande maioria se torna carinhoso e “agradecido” após adquirir confiança nos seus novos donos. É tudo uma questão de trabalhar esses traumas com especialista em comportamento animal

Yara: Cães que já sofreram podem trazer medos, traumas, mas a maioria é reabilitável. Há de se ter paciência para a adaptação de um cão ao novo lar. A primeira semana é um pouco estressante para os humanos. Por isso, tenha em mente sempre, ao levar um cão para casa, como será sua rotina, como local das necessidades, local de dormir, hora dos passeios e das refeições. Evite mudanças bruscas. Se pegar o cão no fim de semana, ensine-o a ficar só por algumas horas, desde o primeiro dia, e aumente as horas, porque esta será a sua rotina quando voltar a trabalhar. Choros e latidos são normais, NUNCA volte ou fale com ele enquanto ele estiver neste processo de choro, mesmo que esteja raspando sua porta. Ter dó nem sempre é ajudar. Quem ama educa, como diz sabiamente Içami Tiba. Sempre é bacana consultar um especialista que o acompanhe nesta fase de adaptação. Isso facilitará ser assertivo no momento. Baixe sua ansiedade, dê tempo ao animal. Eles serão eternamente gratos a você.

Campanha: Diga NÃO aos fogos de artifício

04 . 07 . 2012

Por @TatyIzquierdo

O medo dos fogos de artifício é relacionado diretamente ao barulho e a associação entre o estímulo sonoro e outros eventos assustadores, deixando o animal perturbado, arisco e com medo. Os cachorros possuem uma sensibilidade auditiva maior, potencializada em até seis vezes em relação aos humanos, e, por isso, se incomodam tanto com sons altos.

Os cachorros são os mais afetados nessa onda por conta de sua personalidade mais agitada. Gatos também ficam muito incomodados porém, por terem comportamento mais distante, é nos cães que percebemos as alterações imediatas. O nível de incomodo dos animais pode ser bem diferente. Existem os mais corajosos, os que não se incomodam, aqueles que ficam muito medrosos, os que entram em pânico e se machucam e aqueles que procuram abrigo para se esconder.

O ideal nesses dias é que o dono mantenha o animal em um ambiente tranquilo e que, durante o barulho, não repreenda ou castigue o animal. O cachorro ou o gato não entendem o que está acontecendo. Eles simplesmente se assustam e agem em seu instinto natural!

Como ajudar os cachorros em dias de muito barulho:

*Não deixe o animal associar o barulho com medo. Entreter o animal e mostrar que está tudo bem é uma ótima forma de começar a vencer o medo. Pegue brinquedos que ele goste, petiscos, e tente deixá-lo o mais relaxado possível durante a queima de fogos.

*É natural que durante o barulho o cachorro procure o dono, um abrigo, procure colo para se proteger. Se você der ‘colo’, ele vai entender que aquilo é perigoso e vai sempre agir assim. Procure transformar o momento em brincadeira, associando o barulho com prazer, que o comportamento do animal começa a melhorar.

*Analise o local onde o animal ficará durante o barulho e mantenha objetos que possam machucá-lo afastados. A reação do animal é irracional e ele precisa de condições seguras. Se o animal estiver sozinho, o que não é legal, é aconselhável verificar portas e janelas, porque uma das grandes tendências é o cachorro fugir e correr atrás do dono. O correto é não deixar o animal sozinho se ele tiver um histórico de pânico. Ninguém melhor do que o dono para saber o que causa perigos e desconfortos ao seu pet!

Já em casos mais graves, onde o animal corre perigo, é aconselhável que um profissional oriente o dono em como lidar com o trauma. Existem tratamentos, remédios, adestramento. Todo o cuidado é válido para que seu pet fique bem durante o barulho ensurdecedor!

*Com fontes do G1 e do UOL

Festa Junina

21 . 06 . 2012

Nosso site está em reformulação. Aguarde novidades…
Para acompanhar nossos resgatados e as notícias, acesse nosso twitter e facebook!
Obrigada por sua confiança!

Link twitter: @projsalvacao

Facebook: www.facebook.com/projsalvacao

E-mail contato: projsalvacao@gmail.com

Venha conhecer os membros do Projeto SalvaCão em nossa festa junina!
É neste Domingo, 24/06, a partir das 10h no Espaço Vila da Arte, em Perdizes/SP.

Teremos um incrível bazar de acessórios para seus pets, artesanato, decoração, muitas comidas, bebidas e um super arraiá!

APOIO:

 

O Sonho De Todos Nós

10 . 04 . 2012

O Projeto SalvaCão é um sonho.

Um sonho meu, da Jana, do Luiz, da Deiola, da Drica e da Taty. O sonho de tentar fazer o que um dia certamente cada um de nós ouviu que era impossível. “Enxugar gelo”, como diz um amigo nosso. O sonho de melhorar a vida dos animais de rua, dos animais que sofrem maus-tratos, dos animais abandonados.
A gente sabe que não é fácil. Desde o primeiro dia a gente viu que é difícil pra caramba. Estamos nesse projeto há um ano, e parece que a cada dia fica mais difícil. Mas a gente garante que isso é o de menos. A gente tem a recompensa do “sorriso” de cada cão que a gente resgata, cristalizado num abanar de rabo, numa lambida, num suspiro de alívio ou num olhar de esperança.
Nosso sonho hoje significa a vida dos mais de 40 cachorros que conseguimos tirar das ruas desde o ano passado. Nosso sonho significa que essas vidas agora estão dentro da gente pra sempre, e que esse é um caminho sem volta.
Nós só conseguimos isso graças à ajuda de cada pessoa que divulgou, que contribuiu, que denunciou, que adotou. O nosso sonho é o sonho de cada um desses indivíduos, que provaram que, juntos, temos a força do mundo. Temos voz e não é pouca.
Todos juntos somos fortes.
Lele Siedschlag
Ajuda